Mais carona, menos carro: já experimentou o Waze Carpool?

Mais carona, menos carro: já experimentou o Waze Carpool?

.

O Waze, aplicativo que ajuda o motorista a se guiar pelas cidades, lançou em agosto o Waze Carpool, serviço de compartilhamento de assentos vazios em carros. Belo Horizonte já é a cidade com o segundo maior número de usuários, atrás apenas de São Paulo. “Muita gente vai sozinha para o trabalho, para a universidade. O Carpool veio para resolver esse problema que afeta o trânsito das cidades, pois conecta pessoas que fazem a mesma rota e poderiam ir juntas para o mesmo local. Quando a gente compartilha, diminuímos o número de carros na rua”, afirmou Douglas Tokuno, diretor do Waze Carpool no Brasil, que visitou Beagá nesta semana.

Confira abaixo artigo de Douglas Tokuno sobre mobilidade urbana.

(Por Douglas Tokuno, Head do Waze Carpool no Brasil) – Faz parte do meu dia a dia como morador de São Paulo, uma das maiores cidades do mundo, gastar tempo no trânsito na ida ao trabalho ou quando retorno para minha casa. Mas sim, eu trabalho para uma empresa que foi construída para, em comunidade, superar o trânsito. E eu estou orgulhoso de ver o movimento crescer para mais de 110 milhões de usuários avos mensais em todo o mundo.

Todo mês, mais de 12 milhões de motoristas relatam mais de 60 milhões de incidentes no Waze, por exemplo. Você poderia imaginar a existência desse pode comunidade e colaboração há 10 anos, quando o trânsito começava a crescer nas grandes cidades?

O ponto a ser considerado, no entanto, não é a resposta para essa questão, mas a pergunta que vem com ela. Por meio desses atos diários de cooperação, empresas têm ajudado pessoas a economizar tempo, desviar de situações perigosas e, durante o processo, nós criamos o mapa mais atualizado do mundo.

Há ainda algo que provavelmente você não sabe. Trata-se do trabalho que temos feito durante os últimos 4 anos com cidades, prefeituras, departamento de transportes, e socorristas por meio do Programa Connected Citizens. Com mais de 600 parceiros ao redor do mundo, cobrindo mais de 2 bilhões de pessoas, nós compartilhamos dados e ajudamos a resolver desafios de transporte compartilhado e, juntos, construímos as cidades do amanhã.

Mas não podemos parar por aqui. Para realmente combater o trânsito, nós precisamos trabalhar juntos com cidadãos, comunidades, empresas privadas e organizações públicas — todos precisam ajudar!

Todos nós experimentamos aquele momento em que você está sentado impotente no trânsito, balançando a sua cabeça para todos os motoristas ao seu redor, imaginando porque eles tinham que arruinar seu caminho. Bem, adivinhe? Aqueles mesmo motoristas estão olhando para você – e te culpando!

Foto: Nabeel Syed/Unsplash

Mas jogar o jogo da culpa não vai resolver o trânsito. Infelizmente, em um futuro muito próximo, sequer carros voadores, carros sem motoristas ou túneis magnéticos serão a solução. Enquanto dirigirmos em um Veículo de Ocupação Única (Single Occupancy Vehicles – SOVs), não importa quem está dirigindo; você, um motorista de carona ou um robô autônomo. Nada vai mudar, e como todos os dias o trânsito piora, e não para de crescer, ele vai afetar todos nós.

Apesar de todo o esforço e investimento,as estradas congestionadas, os riscos ambientais, e a pressão sobre nossa infraestrutura de transporte continuam a piorar. O tráfego afeta nossa vida diária. Tarefas cotidianas  — como ir e voltar do trabalho  — são estressantes, imprevisíveis e ineficientes. E como sociedade, nós sofremos com os males do trânsito: é um risco à saúde, um ônus ambiental e gera uma enorme perda econômica.

Mas encontramos uma simples causa para nossa crise de congestionamento: pessoas demais estão dirigindo sozinhas, para os mesmo lugares, ao mesmo tempo. Nós todos dividimos parte da culpa pela criação do trânsito e, portanto, todos compartilhamos a responsabilidade de fazer algo a respeito.

É por isso que o serviço do Waze Carpool foi criado e eu estou orgulhoso de fazer parte disso no Brasil. Ao invés de ficar parado sozinho no trânsito, nós podemos continuar nos movendo juntos. Como deveria ser. E não como o porta-voz de uma empresa, mas como um paulista que precisar ir trabalhar, eu já dividi carona. Se fizermos um pequeno ajuste no nosso comportamento diário , como eu fiz — toda a sociedade estará mais próxima da comunidade que desejamos ser.

Pense sobre o que você quer deixar de lado, dirigir e se mover nas cidades nos próximos anos e comece mudando com pequenos passos. Sabemos que completando esses atos diários de cooperação, nós podemos fazer uma grande mudança na forma como nos movemos dentro de nossas cidades e melhorar nossas vidas, de forma conjunta.

*Conteúdo da coluna Fora da Caixa, veiculado todo sábado na edição impressa do jornal Estado de Minas. Confira também os canais de vídeopodcast e instagram.

Leia mais
Mais robôs do que humanos no trabalho em 2025
Entrevista: Filipe Ivo, embaixador da Singularity U em Belo Horizonte
HackTown une tradição e inovação, tecnologia e humanidade
Educação e tecnologia: Minas Gerais tem 11% das edtechs brasileiras

Compartilhar

X