Japonês Softbank investe em startups que impactam a América Latina

Softbank investe em startups com soluções para impactar a América Latina

Foto: Leon Overweel/Unsplash

As carências de economias emergentes, como a latina-americana, tornam-se oportunidades para estrangeiros que veem na tecnologia uma forma de desenvolver soluções que impactam a vida de milhões de pessoas. Sim, podem ser consideradas usuários ou clientes, mas está tudo bem. Estando todos imersos na era digital, fato é que a tecnologia é ferramenta que pode – e deve – ser usada para provocar melhorias em escala e em qualquer lugar do planeta.  

O grupo japonês Softbank (SBG) tem pressa. Poucos dias após lançar o Innovation Fund, maior fundo de investimentos focado exclusivamente no mercado de tecnologia da América Latina, com valor inicial de 2 bilhões de dólares, anunciou que o seu diretor-executivo para a região, Marcelo Claure, iniciou uma jornada para conhecer empreendedores e visitar startups que tem a disrupção de indústrias tradicionais no centro de seu negócio. Informou ainda que outros 3 bilhões de dólares serão captados pelo grupo, também para investimento no ecossistema de inovação da região.

A cifra bilionária chamou a atenção do mercado. Representa, no entanto, 5% de uma intenção global. O SoftBank Group Corp é ligado ao SoftBank Vision Fund, que planeja investir até 100 bilhões de dólares em negócios globais e tecnologias que acreditam permitir a próxima etapa da Revolução da Informação.

Masayoshi Son, presidente do SBG, nascido e criado na América Latina, disse: “Testemunhei em primeira mão a criatividade e a paixão das pessoas. Acredito que as oportunidades de negócios nunca foram tão fortes. O SoftBank Innovation Fund se tornará um grande investidor em empresas latino-americanas transformadoras que estão prontas para redefinir seus setores e criar novas oportunidades econômicas para milhões de pessoas”. Estão no foco e-commerce, serviços financeiros digitais, saúde, mobilidade e seguros, entre outros.

Oportunidades

Algumas características da região chamam a atenção dos japoneses: representa 10% da população mundial e 8% do PIB mundial (duas vezes o PIB da Índia e metade do da China); há mais de 375 milhões de usuários de internet e 250 milhões de smartphones; as vendas de e-commerce no varejo cresceram de US$ 29,8 bilhões em 2015 para US$ 54 bilhões em 2018.

E não para por aí. O SBG destaca que as atividades bancárias estão sendo realizadas on-line cada vez mais, mas aproximadamente 70% (400 milhões de latino-americanos) permanecem sem banco ou sem acesso a ferramentas bancárias. A região sofre com o transporte público severamente subdesenvolvido: de 1992 a 2010 a região investiu apenas 0,5% do PIB em transporte contra a média global de 1,6%; os serviços de saúde são fragmentados ao passo que deve aumentar a incidência de doenças não-transmissíveis, casos de câncer e o número de pessoas que sofrem de diabetes.

São fatores que contribuem para a criação de um mercado atraente para empresas de tecnologia emergentes e a necessidade de capital para apoiá-las em suas jornadas.

Leia mais:  
ExOs: o que podemos aprender com Netflix, Airbnb e Tesla
Rappi: comodidade que vira negócio (e unicórnio)
Accelerate2030 seleciona negócios para expansão global
Startups x corporações: a consolidação da economia digital
Entrevista: Filipe Ivo, embaixador da Singularity U em Belo Horizonte
Nova economia e inovação no jornal Estado de Minas

Compartilhar

X