Rocketmat: inteligência artificial para contratar pessoas

Rocketmat: inteligência artificial para contratar pessoas

(Por Paola Carvalho*) – Dois mineiros criaram um algoritmo apelidado de Matthew, fundaram a Rocketmat, se uniram a outros dois sócios norte-americanos, levaram a sede para Dallas (Estados Unidos), mantiveram o escritório de pesquisa e desenvolvimento em Belo Horizonte, receberam uma restrita certificação da gigante Amazon Web Services (AWS). Hoje levam tecnologia brasileira na área de Recursos Humanos para diferentes mercados, como Colômbia, México e Coréia do Sul, para além dos Estados Unidos, onde atendem a AT&T, uma das principais empresas de telefonia do país, com mais de 250 mil funcionários.

A Rocketmat é um exemplo de como a Inteligência Artificial (AI) avança pelo mundo. Poderia render um belo filme de ficção científica, um clássico como Her (Ela, em português), filme de 2013, que mostra as consequências de um novo sistema operacional, a Samantha. A ficção passa longe, o convite foi para serem parte de um documentário do canal National Geographic. E por quê? O robô Matthew usa dados de seu próprio cliente para traçar o perfil de um candidato perfeito à vaga de emprego; contrata sem discriminação, como de raça e gênero; e passa a gerir o funcionário, sendo capaz de prever a sua necessidade de treinamento e até a sua saída.

Os sócios brasileiros são Tiago Machado, mestre em inovação, e Paulo Nascimento, doutor em Inteligência Artificial. Eles criaram a Rocketmat há apenas dois anos. “A área de Recursos Humanos foi uma das últimas a adotarem tecnologia nas empresas”, destacou Tiago. “É impossível um setor analisar, de forma igual e justa, sem o viés natural do ser humano, o currículo de 20 mil candidatos, como o Matthew é capaz de fazer”, exemplifica. Contudo, nada de substituição de humanos. O robô potencializa o trabalho de recrutadores e gestores, que, no final das contas, são também aqueles que tomam as decisões.

Entre os impactos para as empresas estão a melhoria nos processos seletivos e a redução no tempo de contratação, gerando mais assertividade e economia. Há também benefícios intangíveis, como maior eficiência do time, já que os selecionados têm a característica de melhor se adaptar à cultura e às metas da empresa.

Leia mais: Pela humanização da inteligência artificial

Potencial, Inteligência Artificial e Amazon

A Rocketmat segue critérios comportamentais, técnicos, culturais e de performance. As qualidades em comum dos colaboradores que tiveram excelente performance nos últimos anos darão origem a um perfil de candidato perfeito que, certamente, conseguirá se adequar à cultura e ao ambiente corporativo.

Segundo Tiago Machado, eleger as melhores competências cognitivas vasculhando o banco de dados de uma companhia, com sigilo, precisão e segurança, só é possível graças à inteligência artificial “de verdade”. No caso da Rocketmat, o responsável por esse trabalho é o algoritmo Matthew, capaz de compreender as características essenciais para a vaga. Diante desse diagnóstico, será possível selecionar, também de forma automática, os currículos que combinam – ou dão match – com o benchmark do candidato perfeito.

A expressão “inteligência artificial de verdade” é usada por Paulo Nascimento, sócio responsável pela área de tecnologia, para distinguir o algoritmo de seu robô Matthew de uma tecnologia mais simples, usada por algumas empresas que realizam o trabalho final desse complexo processo, isto é, apenas pinçando os currículos cujas palavras-chave se assemelham ao check list do anúncio do emprego, quase sempre limitado às capacidades técnicas para a função.

A verdade é que nem sempre os profissionais com passagem por grandes empresas, fluente em vários idiomas e formação acadêmica em faculdades de primeira linha são boas escolhas em um processo de seleção. Atrás desse perfil exemplar pode haver uma pessoa que pedirá demissão rapidamente por não valorizar sua função no grupo.

Para o sócio da Rocketmat, que já trabalhou na área de recrutamento e valorização do capital humano em grandes empresas, a análise das competências de quem comprovadamente gera retorno ao negócio é um critério, além de assertivo, também democrático. Candidatas e candidatos que – por alguma razão – teriam pouca chance de serem chamados para uma entrevista presencial passariam pelas triagens iniciais, caso tivessem um comportamento igual ao modelo identificado pelo robô Matthew para um profissional excelente.

Sobre a IA ou Inteligência Artificial – Segundo a definição do próprio MIT (Massachusetts Institute of Technology), o conceito de Inteligência Artificial só deve ser usado para máquinas com habilidades cognitivas de aprender por meio de experiências anteriores e, a partir disso, resolver problemas da mesma maneira que o cérebro humano. Nesse sentido, o algoritmo que consegue aprender continuamente, a partir das informações da empresa, as iniciativas e os resultados característicos de quem se adapta à cultura daquela organização pode ser classificado como IA.

No caso da Rocketmat, Paulo comenta que o robô Matthew é treinado para lidar com os desafios da contratação de pessoas pela área de Recursos Humanos numa tecnologia conhecida como machine learning. Para realizar o processamento de todas as informações sobre comportamentos humanos e indicar as decisões assertivas na aquisição de novos talentos, a Rocketmat usa o que há de melhor no planeta em recursos de computação em nuvem.

Parceria com a Amazon – Trata-se da única empresa no Brasil para recrutamento e seleção de talentos certificada como Advanced Partner pela Amazon Web Services (AWS) – a plataforma de serviços de computação em nuvem da gigante de TI. Dada a complexidade do seu algoritmo, foi preciso que o robô Matthew fosse desenvolvido na AWS, a fim de garantir o uso da psicometria (análise de personalidade, inteligência emocional e preferências de comportamento) sobre um grande volume de dados.  

A Rocketmat utiliza o Amazon SageMaker, que torna o processo de treinamento de dados mais simples e fácil de ser executado, além de garantir total sigilo dos dados processados. Até a identificação dos profissionais qualificados é confidencial, já que o sistema não trabalha com nomes, e sim com IDs. Clique aqui para saber mais da Rocketmat na AWS.

*Conteúdo da coluna Fora da Caixa, veiculado todo sábado na edição impressa do jornal Estado de Minas. Confira também os canais de vídeopodcast e instagram.

Leia mais:  
Hubble, programa do BDMG para startups, apresenta resultados
Empreendedorismo de Impacto Social
Capitalismo consciente: bem-estar social para além do lucro
Remederia: “iFood dos remédios” chega a BH
ExOs: o que podemos aprender com Netflix, Airbnb e Tesla
Startups x corporações: a consolidação da economia digital
Nova economia e inovação no jornal Estado de Minas


Compartilhar

X