Inovar na moda é romper com conceitos; conheça iniciativas mineiras

Inovar na moda é romper com conceitos; conheça 9 iniciativas mineiras

(Por Paola Carvalho) – Uma indústria afiada em inovar é a da moda. A cada estação do ano, uma novidade. E não apenas no estilo. Novos empreendimentos nascidos na era digital estão mudando a forma como consumimos roupas, calçados e acessórios. As soluções alcançadas por novas tecnologias não são, digamos, tão passageiras assim. Escolher o molde e testar um catálogo de tecidos pela internet, ter uma personal stylist virtual, receber uma composição dentro de uma caixa na porta de sua casa, fazer assinatura mensal para o uso de um guarda-roupa coletivo. São todas soluções, com peculiaridades, que ampliam possibilidades.

A Modacad é uma startup (empresa de base tecnológica com produto escalável) que fez um aplicativo para criadores e administradores da indústria de confecção. Com acesso gratuito, o app Modacad facilita a pesquisa de tecidos e fornece moldes para o corte da produção. Funciona como uma vitrine digital de tecidos, onde o usuário pesquisa texturas e estampas. Pode ainda experimentá-los em uma coleção de desenhos de modelos, com a vantagem de poder comprar e receber os moldes. “É um auto-atendimento virtual, sem necessidade de aguardar representantes e vendedores no seu local de trabalho”, diz a sócia-fundadora Telma Barcellos. Ela ainda destaca a oferta de padronizações para diferentes tipos de corpo, mais adequados à realidade brasileira.

Não são raros os sites que fornecem o serviço de personal stylist, mas cada um pode apresentar um diferencial. A startup My Personal Stylist (MyPS), por exemplo, surgiu da necessidade de tornar o atendimento mais acessível: rápido, barato e dinâmico. “A mulher entra no site, faz o seu teste e recebe um resultado com o seu estilo predominante, o secundário, informações sobre o seu corpo, sugestões de looks e produtos que atendam o seu perfil”, explica a idealizadora Juliana Brasil. Conhecer o estilo de forma gratuita é a porta de entrada para outros serviços pagos, como o Look Book, onde paga-se uma mensalidade para ter acesso a um editorial de moda personalizado. Mais de 15 mil mulheres já se cadastraram na plataforma.

Com a ideia de valorizar o acesso e não a posse, nasceu em Beagá um dos primeiros co-dressign do Brasil, o Cinco-Cinco. É um novo modo de consumir moda: mais sustentável, porque evita o consumismo exacerbado; e mais econômico, uma vez que alugar sai mais barato do que comprar. Por meio de um plano mensal ou aluguel pontual, o cliente tem acesso ao acervo de roupas e acessórios. Os produtos selecionados valorizam de grandes marcas a produtores locais. “Queremos que as pessoas que estão produzindo moda sejam mais valorizadas e, ao mesmo tempo, que o produto seja acessível ao consumidor final”, diz a sócia Rafaela Chaves.

Inovar na moda? Sai a imagem da fantasia futurista, entram roupas úteis, duráveis, confortáveis e esteticamente bonitas. Apaga-se a cena das muitas sacolas arrastadas pelos corredores dos shoppings centers, fixa-se a ideia do consumo consciente.

Experimentando em casa

Profissional imprescindível no dia a dia de celebridades, o personal stylist pode fazer toda a diferença no visual, mas o seu custo ainda é para poucos. Pensando em democratizar o serviço, Poliana Bittencourt desenvolveu uma plataforma online de consultoria de estilo personalizada para o público feminino, a FixBitt.

Basta acessar o site da empresa, preencher um perfil com dados como medidas, gostos, necessidades, objetivos e o orçamento disponível. Em seguida, o time entra em ação para selecionar roupas, sapatos e acessórios pensados exclusivamente para cada usuária. Aí, então, é enviada uma “BittBox” com um manual sobre como combinar e utilizar as peças, além das produções escolhidas, para a casa da pessoa, que tem até dois dias para experimentar e decidir se ficará com as mercadorias. O que ela não comprar, retorna para a FixBitt, sem nenhum custo de envio, mesmo que a cliente não queira nenhum dos itens.

Todos os gêneros

A LED, que desfilou na última edição do São Paulo Fashion Week, conta com coleções de roupas para todos os gostos e gêneros. Com o lema “corpo como espaço de (re) existência”, tem o compromisso com as liberdades de escolha, um valor embutido nas peças de design sem gênero definido. Com estamparia autoral, impressa em tecidos nobre como o linho, os modelos trazem “a espontaneidade de quem consome moda seguindo o seu próprio feeling”.

Outra marca que compartilha da mesma intenção é a Meniax, vencedora do concurso Ready To Go no último Minas Trend, hoje o principal salão de negócios da indústria da moda

Para as quatro estações

Design autoral e atemporal, produzido de forma justa e em pequena escala, quebra o paradigma da indústria da moda. Feitos para durar por várias estações, seja pelo material ou pela estética, novos produtos e marcas defendem um conceito que rompe com o ideal rígido sobre o feminino e a forma de se consumir moda. Participam de feiras de produtores locais e lojas coletivas ao mesmo tempo que estão presentes em grandes festivais e nas passarelas.

Os calçados Nuu Shoes “resgatam referências estéticas nos campos da arte, arquitetura, design e da moda, recontextualizadas, resignificadas e atualizadas, resultando em um produto original”. As roupas Jardin “se apoiam em materiais modernos e de qualidade, corte, acabamento e caimento que valoriza a silhueta, sem marcar o corpo, cabendo nos diversos papéis da mulher atual”.

As bolsas e outros produtos Adô são “confeccionados com matérias-primas nacionais, tendo o couro como principal componente”. A marca ainda introduziu no mercado brasileiro o processo de personalização por meio de gravação, serigrafia e pinturas manuais.

Leia mais
Não seja um; seja polímata. Sabe o que é?
Aula aberta e gratuita: Como preparar um negócio para o futuro?
Jovens querem empreender negócio próprio ou dentro de empresa. Por quê?
Transformação digital: você está preparado para a realidade híbrida?

 

Compartilhar

X