Hubble: novo espaço apoiará startups da área financeira em BH Hubble: novo espaço apoiará startups da área financeira, as fintechs

Hubble: novo espaço apoiará startups da área financeira em BH

Foto: Jonas Leupe/Unsplash

O Hubble é um novo espaço que abrigará startups em Belo Horizonte, no caso, aquelas voltadas para soluções financeiras e de softwares de gerenciamento. É uma iniciativa do Bando de Desenvolvimento de Minas Gerais (BDMG) em parceria com a NXTP.Labs, fundo de venture capital early stage (capital de risco). Até o dia 25, no site hubblehub.com.br, estão abertas inscrições para a seleção de 15 empreendedores que poderão participar de um programa de tração com início previsto para janeiro.

453

Número de startups da área financeira em operação hoje no Brasil, segundo o Radar FintechLab

O BDMG atua em parceria com instituições para financiar a inovação no setor privado e participa de Fundos de Investimento em Participação (FIPs) que investem em startups. A diretora de Negócios do BDMG, Carolina Duarte, explica que o Hubble é um “passo à frente” para fomentar o ecossistema de inovação em Minas Gerais de uma forma mais abrangente.

“Buscamos um modelo que não se sobrepusesse a nenhuma iniciativa já existente no Estado, incentivando a geração de negócios para as startups em fase de tração, aquelas prontas a oferecerem um produto no mercado que possa atender às demandas de empresas já consolidadas”, conta.

As startups que entrarem para o Hubble participarão de mentorias, workshops, palestras, eventos de networking, tudo em um ambiente de troca e, ao mesmo tempo, de conexões com grandes corporações para impulsionar a criação de transações comerciais. Elas também poderão operar no espaço de coworking do hub, que ficará no bairro de Lourdes, na capital mineira.

“No Hubble, a geração de negócios é o grande objetivo, levando as soluções das startups para dentro de parceiros corporativos, o que contribui para o crescimento do ecossistema mineiro”, afirma Eduardo Carvalho, analista de investimento do NXTP.Labs.

O Hubble utilizará uma metodologia de alcance de resultados que é objeto de estudo na Universidade de Harvard, nos Estados Unidos. Essa forma de trabalho engloba identificar os gargalos que estão freando o desenvolvimento da startup, com foco em marketing e vendas, retenção de clientes e desenvolvimento de produto e liderança, para gerar crescimento exponencial.

Open Innovation e Equity Free

O foco do programa, que é Open Innovation e Equity Free, é que as startups cresçam e se expandam, ao invés de serem simplesmente compradas ou absorvidas por outras corporações. “Entendemos que o investimento é muito importante, mas deve ser uma das opções e não a única. Essas empresas precisam de acesso ao mercado consumidor para que possam ofertar seus bens e serviços, pois é por meio da geração de negócios que elas têm a oportunidade de crescer”, acrescenta Carolina.

Mais informações aqui.

*Conteúdo da coluna Fora da Caixa, veiculado todo sábado na edição impressa do jornal Estado de Minas. Confira também os canais de vídeopodcast e instagram.

Leia mais
Mais robôs do que humanos no trabalho em 2025
Entrevista: Filipe Ivo, embaixador da Singularity U em Belo Horizonte
HackTown une tradição e inovação, tecnologia e humanidade
Educação e tecnologia: Minas Gerais tem 11% das edtechs brasileiras

Compartilhar

X