Hubble, programa do BDMG para startups, apresenta resultados

Hubble, programa do BDMG para startups, apresenta resultados


Foto: Fabian Blank/Unsplash

(Por Paola Carvalho*) – O Banco de Desenvolvimento de Minas Gerais (BDMG), vinculado ao governo do Estado, um dos primeiros a fornecer crédito para pessoa jurídica por meio da internet, quer se tornar cada vez mais digital. Além de oferecer linhas de financiamento e outros produtos para empresas e projetos inovadores, passou a fomentar o ecossistema digital no estado. “Entendemos que crédito e investimentos não são suficientes”, afirmou a diretora de negócios Carolina Marinho Duarte. A partir desse entendimento, foi criado o Hubble, um espaço para o desenvolvimento de startups – empresas de base tecnológica com produtos escaláveis, na fase de tração.

Inaugurado em dezembro de 2018, o Hubble selecionou 15 startups, sendo 10 de Minas, focadas na área financeira, as chamadas fintechs, e em outras, como sustentabilidade e novas tecnologias (big data, machine learning, blockchain). Todas com produtos que podem atender o setor bancário, indústrias e outros pilares da economia. No primeiro trimestre de 2019, a soma do faturamento das empresas atingiu R$ 2 milhões, crescimento de 31,8% em relação ao mesmo período do ano passado. Foram assinados 15 contratos e os investimentos alcançaram R$ 7 milhões.

“Queremos gerar negócios para startups e levar inovação para médias e grandes empresas, clientes e parceiros do BDMG”, destacou Carolina. Outro impacto é a transformação cultural provocada pela disseminação da mentalidade de startups em uma empresa pública controlada pelo Estado. Entre os conceitos e práticas estão novas organizações de trabalho, ambientes colaborativos e abertos, que valoriza a inclusão e a diversidade, que testa, erra e corrige de forma rápida e barata, e que usa a tecnologia para impactar mais pessoas. 

A transformação digital dos bancos, seja do BDMG ou de outros, é um caminho sem volta. Se os clientes estão na internet, é lá que os serviços bancários também devem estar. E de forma cada vez mais simples e barata para os usuários.

Leia mais:  
Lagoinha é o primeiro território a participar do Programa Horizonte Criativo
Hub Social: imposto de renda para projetos sociais
Empreendedorismo de Impacto Social
Capitalismo consciente: bem-estar social para além do lucro
Remederia: “iFood dos remédios” chega a BH
ExOs: o que podemos aprender com Netflix, Airbnb e Tesla
Startups x corporações: a consolidação da economia digital
Nova economia e inovação no jornal Estado de Minas

Compartilhar

X