Futurecom: conexões tecnológicas para transformação digital de pessoas

Futurecom: conexões tecnológicas para transformação digital de pessoas

Foto: Divulgação/Futurecom

(Por Paola Carvalho*) – Entender a evolução das Tecnologias da Informação e Comunicação (TIC), desde a privatização da Telebrás, em 1998, até a difusão da Internet das Coisas (IoT), exige mudança no paradigma mental. Não à toa, a “transformação digital” das pessoas – sim, de nós humanos – está entre os temas de maior destaque nos últimos eventos de tecnologia realizados pelos país. Foi assim na quinta edição do HackTown, festival que acontece em Santa Rita do Sapucaí, Sul de Minas, e na vigésima Futurecom, maior conferência sobre Tecnologia e Telecomunicações da América Latina, em São Paulo.

Nos últimos 20 anos, o Brasil saiu de 7,4 milhões para 230 milhões de celulares – mais números do que habitantes; de 2,1 mil municípios conectados para praticamente 100% deles, sendo 3,5 mil com fibra ótica. Segundo a consultoria Teleco, o 5G torna-se realidade entre 2020 e 2025, estimulando uma nova era de dispositivos inteligentes, como carros conectados e prestação remota de serviços de saúde. Em 2022, de acordo com a empresa de tecnologia Qualcomm, cada casa terá aproximadamente 50 dispositivos, aparelhos eletrodomésticos e outros objetos conectados entre si – o que pode influenciar significativamente a rotina da casa, do trabalho, da cidade, da sociedade.

“É preciso romper sobre como o passado era ditado; e a tecnologia é a ferramenta para a nossa transformação”, disse Ricardo Sanfelice, vice-presidente da área de inovação da operadora de telefonia Vivo, durante a Futurecom.

Reconhecer o digital mindset (ou mentalidade digital) – não linear, multidisciplinar, conectado e imprevisível – é uma necessidade irreversível, reiterou Fiamma Zarife, diretora-geral do Twitter no Brasil. É hora de deletar pensamentos superados e abrir espaço para as novidades.

“A Algar é um grupo de 88 anos, que há um ano e meio criou o Brain, uma unidade de negócios, uma espécie de startup dentro da organização, para provocar mudanças no mindset e transformar.”

A frase é de Zaima Milazzo, diretora de inovação e operação do Brain, que participou do painel “Líder do Amanhã na Era Digital”, durante a Futurecom, ao lado de representantes do Linkedin, Twitter, Oracle, Ericsson, Mastercard e Vivo. O grupo Algar, com sede em Uberlândia (Triângulo Mineiro), possui negócios nos setores de telecomunicações, turismo, serviços e agronegócios. Conta com 23 mil colaboradores e 2 milhões de clientes conectados.

*Conteúdo da coluna Fora da Caixa, veiculado todo sábado na edição impressa do jornal Estado de Minas. Confira também os canais de vídeopodcast e instagram.

Leia mais
Mais robôs do que humanos no trabalho em 2025
Entrevista: Filipe Ivo, embaixador da Singularity U em Belo Horizonte
HackTown une tradição e inovação, tecnologia e humanidade
Educação e tecnologia: Minas Gerais tem 11% das edtechs brasileiras

Compartilhar

X