Hyperloop chega ao Brasil e planeja desenvolver transporte de passageiros e mercadorias em cápsulas - Blank Space

Hyperloop chega ao Brasil e planeja desenvolver transporte de passageiros e mercadorias em cápsulas

Foto: Divulgação Hyperloop

A americana Hyperloop Transportation Technologies (HyperloopTT) planta em Minas Gerais uma semente do visionário multiempreendor Elon Musk, que lidera a montadora Tesla e a companhia aeroespacial SpaceX. A equipe da empresa desembarcou por aqui nesta semana para a inauguração de um centro de inovação em logística, em Contagem. Os problemas do Brasil referentes a transporte, e a burocracia pública para desembolar projetos, são grandes oportunidades para a empresa que ligaria o aeroporto de Confins ao da Pampulha em três minutos. Isso mesmo, um, dois três minutinhos. Apenas. Como? Pessoas seriam transportadas por meio de cápsulas pressurizadas, flutuando em uma “almofada” magnética sem fricção dentro de tubos, em uma velocidade de até 1.223 km/h.

As cápsulas são alimentadas por um motor de indução linear, propulsão eletromagnética com baterias recarregáveis incorporadas. O sistema consiste em tubos grandes que serão construídos principalmente sobre pilares, com alguns segmentos no nível do solo e subterrâneos, conforme necessário. Resulta em menor custo de aquisição de terras, torna-o resistente às condições climáticas e a terremotos, elimina a possibilidade de colisão com o tráfego rodoviário e proporciona oportunidades ecológicas.

.

A HyperloopTT promete resolver alguns dos principais desafios de longo prazo enfrentados pela sociedade moderna: superpopulação, congestionamento de tráfego e poluição.

Conta com uma equipe global composta por mais de 800 engenheiros, criativos e tecnólogos em 52 equipes multidisciplinares, com 40 parceiros corporativos e universitários. Com 39 patentes exclusivas, já assinou 8 contratos governamentais. Tem sede em Los Angeles, escritórios em Abu Dhabi e Dubai, Emirados Árabes; Bratislava, Eslováquia; Toulouse, França; e Barcelona, Espanha. Também possui centros de operação em todo o mundo, dedicados a todas as disciplinas.

No Brasil, a HyperloopTT inicia um novo capítulo com a criação do primeiro Centro Global de Inovação em Logística do mundo, uma nova unidade de pesquisa e desenvolvimento para fornecer suporte técnico para as futuras operações de frete.

Para isso, a empresa e os governos de Minas Gerais e Contagem estabeleceram uma parceria público-privada. O investimento inicial é de US$ 7 milhões, dos quais metade será fornecida pela HyperloopTT e a outra metade pela Secretaria de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior do Governo de Minas. A prefeitura de Contagem contribuiu com as instalações físicas.

Unidade da Hyperloop, em Contagem, RMBH – Foto: Divulgação

Durante os primeiros 5 anos, o Centro Global de Inovação em Logística empregará 50 profissionais diretos e 200 indiretos. Seu objetivo é não apenas construir um centro de P&D, mas também promover a cadeia de valor, engenheiros, cientistas e especialistas. O polo de inovação inclui: P&D (pesquisa e desenvolvimento); Fab Lab, com foco em combinar manufatura avançada com ferramentas eletrônicas para criar rapidamente protótipos para a prova de conceito e determinar sua viabilidade técnica e econômica; Hyperloop Academy, uma parceria com universidades, centros de P&D e empresas para atrair “mentes brilhantes”.

7 perguntas e respostas

1. Como surgiu o movimento Hyperloop (o nome da empresa dá nome ao modelo de transporte)?
O Hyperloop é a mais recente iteração de um esforço contínuo para criar um sistema de transporte baseado em tubos de alta velocidade. Elon Musk apresentou o projeto como um transporte de alta velocidade que seria sustentável e acessível. Em 2013, Musk abriu a propriedade intelectual para qualquer empresa que levasse o projeto adiante e desenvolvesse tecnologias para construí-lo. A Hyperloop Transportation Technologies foi a primeira empresa fundada para desenvolver o Hyperloop e torná-lo uma realidade.

2. É seguro?
Será construído principalmente em pilares, usando as melhores práticas da engenharia, incluindo projeto sísmico e capacidade de suportar a expansão térmica. Além disso, é completamente automatizado com tecnologias avançadas que exigem apenas o monitoramento de seres humanos. O sistema é alimentado eletricamente, sem necessidade de combustível a bordo e protegido do meio ambiente. O sistema da HyperloopTT foi considerado “viável e seguro” pela maior empresa de resseguros do mundo, a Munich RE.

3. Pode ser rentável?
A empresa informa que “mesmo em análises conservadoras, o sistema HyperloopTT pode rapidamente se tornar lucrativo. Apresenta a capacidade de construir um sistema de transporte de massa que não exigiria subsídios do governo.”

4. Já foi tentado antes? Por que agora?
A ideia básica e a maior parte da tecnologia para fazer o Hyperloop acontecer existe há muito tempo. No entanto, nossa capacidade de unir tudo isso surgiu recentemente, apoiada pelo crescente interesse do governo e da indústria no desenvolvimento do transporte sustentável.

5. Como fica o conforto dos passageiros em velocidades tão altas?
Devido ao uso de levitação magnética passiva e alta velocidade dentro de um sistema de tubos despressurizado e controlado, não haveria turbulência ao longo do curso, e as cápsulas seriam pressurizadas à pressão do ar no nível do solo. As cápsulas foram projetadas com atenção especial para manter um alto nível de conforto durante a viagem.

6. Qual velocidade máxima o Hyperloop atinge?
As vantagens do Hyperloop são transformadoras, já que vamos conectar pessoas e mercadorias a altas velocidades, potencialmente até a velocidade do som (1.223 km/h), permitindo que os passageiros vivam mais longe das cidades e de seus empregos, mudando o tempo de viagem de horas para minutos.

7. Como afeta o meio ambiente?
Produz zero emissões. O sistema é alimentado por uma combinação de fontes de energia alternativas para garantir a sustentabilidade. Tem o potencial de gerar excesso de energia através de painéis solares localizados ao longo das linhas e estações, além da energia recuperada durante a frenagem regenerativa.

Anúncio da parceria para a implantação do Centro global de Inovação e Logística da HyperloopTT em Contagem (MG): presidente da Fapemig, Evaldo Vilela, presidente da Hyperloop, Bibop Gresta, governador Fernando Pimentel, secretário Miguel Corrêa, e a consultora da HyperloopTT e primeira astronauta negra da NASA, Yvonne Cagle
Foto: Manoel Marques/imprensa-MG

Leia mais:
O polêmico Elon Musk

Compartilhar

X