Capitalismo: ideologia ou sistema operacional? - Blank Space

Capitalismo: ideologia ou sistema operacional?

Um termo tanto venerado quanto condenado. Um livre mercado em crise de identidade, um incompreendido. As ponderações sobre capitalismo são do indiano, que vive nos Estados Unidos desde criança, Bhu Srinivasan, autor de Americana: A 400-Year History of American Capitalism (Uma história de quatrocentos anos do capitalismo americano, na tradução livre do inglês) – eleito o melhor livro de 2017 pela The Economist. Ele estuda a interseção entre o modelo econômico e o progresso tecnológico. E sugere que, em vez de pensarmos o capitalismo como uma ideologia, devemos encará-lo como um sistema operacional, que precisa de atualizações para acompanhar as inovações.

“Pensem nos seus iPhones. Agora imaginem todo o aparelho, com o seu hardware, como toda a realidade física ao seu redor e, os aplicativos, como atividade empreendedora, energia criativa. Entre hardware e software, temos um sistema operacional. Assim como há avanços no hardware, há avanços no software, e o sistema operacional precisa acompanhar. Precisamos fazer atualizações”, comparou durante uma palestra em Nova York.

Depois de visualizada a questão, Srinivasan apresenta mais uma questão, a da adaptação reversa. Voltemos à época do início do uso de carros como transportes, dividindo espaços com pedestres e cavalos. Para que todos pudessem ocupar as ruas, foram criadas regras, como sinalizações, porte de registro do veículo e da carteira de motorista. Da mesma forma, daqui a cinco ou dez anos, a situação se repetirá ao encararmos veículos autônomos coexistindo com automóveis comuns.

Por que esse raciocínio é importante? Porque possivelmente veremos a maior economia do mundo ser um país conduzido por comunistas.  E os chineses parecem ser muitos bons em capitalismo. Por muito tempo, os livres mercados coincidiram com liberdade de expressão, com democracia – uma equação que poderá não ser mais verdadeira. E aí o governo pode baixar uma legislação regulatória para a fabricação ou uso de carro autônomos, de drones ou qualquer outra inovação.

“Quando pensamos no capitalismo como uma ideologia, podemos ter boa política se traduzindo em regras ruins, e os resultados do mercado e as vozes democráticas e as batalhas por votos podem acabar sufocando o progresso. Eu peço aos legisladores que pensem separadamente ideologia e economia, e que pensem como boas regras podem no fim se tornar boa política”, afirma Srinivasan.

54%

Essa é a fatia percentual de brasileiros que comprou no AliExpress, site de vendas online do grupo chinês Alibaba, do total de todas as compras feitas em sites internacionais ao longo de 2017. Representou um aumento de nove pontos percentuais em relação a 2016, segundo o relatório Webshoppers, produzido pela Ebit, empresa de informações sobre o e-commerce no Brasil.

Leia também:

Capitalismo consciente: bem-estar social para além do lucro

Consumo consciente: o outro lado da moeda

Compartilhar

X